Formatado por mim, em forma de oração, para a queridíssima prima Fidalma e a todos que necessitem de uma perseverança na manutenção da fé, enquanto passam por tratamento médico e em todos os momentos da vida. Portanto, me incluo nessa leitura.

Salmo 23

1 O Senhor é o meu pastor; nada me faltará.

2 Deitar-me faz em pastos verdejantes; guia-me mansamente a águas tranquilas.

3 Refrigera a minha alma; guia-me nas veredas da justiça por amor do seu nome.

4 Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam.

5 Prepara uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos; unges com óleo a minha cabeça, o meu cálice transborda.

6 Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida, e habitarei na casa do Senhor por longos dias.

Fonte: [http://www.sol.eti.br/salmos/23.htm]  

A tranquilidade das ovelhas

Rubem Alves

A noite estava escura. De vez em quando, ouvia-se o uivo de um lobo bem longe, misturado com o barulho do vento. As crianças, reunidas na tenda do mestre Benjamim, estavam com medo. Mestre Benjamim sentiu o medo nos seus olhos. Foi então que uma delas perguntou:

– Mestre Benjamim, há jeito de não ter medo? Medo é tão ruim! 

Mestre Benjamim respondeu:

– Há sim…

E ficou quieto. Veio, então, a outra pergunta:

– E qual é esse jeito?

– É muito fácil. É só pensar como as ovelhas pensam…

– Mas como é que vou saber o que as ovelhas estão pensando?

Mestre Benjamim respondeu:

– Quando, durante a noite, as ovelhas estão deitadas nas pastagens, os lobos estão à espreita e eles uivam. As ovelhas têm medo. Mas aí, misturado ao uivo dos lobos, elas ouvem a música mansa de uma flauta. É o pastor que cuida delas e não dorme nunca. Ouvindo a música da flauta, elas pensam: há um pastor que me protege. Ele me leva aos lugares de grama verde e sabe onde estão as fontes de águas límpidas. Uma brisa fresca refresca a minha alma, durante o dia ele me pega no colo e me conduz por trilhas amenas. Mesmo quando tenho que passar pelo vale escuro da morte, eu não tenho medo. A sua mão e o seu cajado me tranquilizam. Enquanto os lobos uivam, ele me dá o que comer. Passa óleo perfumado na minha cabeça para curar minhas feridas. E me dá água fresca para sarar o meu cansaço. Com ele não terei medo eternamente… (Salmo 23 – Paráfrase).

Mestre Benjamim parou de falar. Os olhos de todas as crianças estavam nele. Foi então que uma delas levantou a mão e perguntou:

– E os lobos? Eles vão embora? Eles morrem?

– Os lobos continuam a viver e continuam a ser perigosos. O pastor não consegue espantar todos eles. E, por vezes, eles atacam e matam. Mas as ovelhas, ouvindo a música da flauta do pastor, dormem sem medo, não porque não haja mais perigo. Mas há um jeito de acabar com o medo.

As crianças voltaram para suas tendas e dormiram sem medo, pensando nos pensamentos das ovelhas.

Fonte: [http://www.ieadmissoesmundonovo.com.br/ovelhas_62.html]

 

Anúncios