Em 03/11/2010, ao recolher a conta de água (a leitura havia sido recém feita), observei o valor a ser pago: R$ 29,36 (vinte e nove reais e trinta e seis centavos).

Entrei em contato com Águas de Itu, após ler o que o “relógio” do hidrômetro mostrava que o consumo, em metros cúbicos, não era o que estava no Demonstrativo de Consumo. Conversei com dois funcionários, no mesmo dia 03/11/2010: Oscar e, porque a “ligação caiu”, repeti a ligação e conversei com Fernanda. “A leitura está errada. Preciso que seja corrigida, porque, no próximo mês, o demonstrativo de consumo mostrará que consumi por dois meses”.

Passei, para a funcionária Fernanda, o que o hidrômetro registrava, após a minha releitura.

A média de consumo, em minha casa, nunca é a mínima, ou seja, nunca fica na faixa de 01 a 10, como constava na leitura equivocada de 03/11/2010.

Porque até o dia 05/11/2010 não havia, no endereço eletrônico de Águas de Itu, correção do consumo, liguei, novamente, Protocolo de Atendimento 182619, Luís Paulo, e, infelizmente, ele me pediu que lesse, novamente, o que constava no “relógio” do hidrômetro.

Dessa vez, fui ríspida: “já informei, em 03/11/2011, o correto, portanto, se quiserem uma releitura, peçam ao funcionário, que ganha para isso, que retorne ao imóvel; caso contrário, acreditem em mim; a leitura não era 230, como consta no Demonstrativo de Consumo, é 240, verificado minutos depois do engano do leiturista”.

O atendente Luís Carlos me orientou, então, a acessar, no dia 08/11/2010, o site, porque a 2.ª via estaria disponível, já corrigida com o que eu informara.

A 2.ª via, impressa no dia 08/11/2010, mostrou que o total a pagar era de R$61,78 (sessenta e um reais e setenta e oito centavos).

Se eu não tivesse comunicado Águas de Itu sobre esse engano, eu, provavelmente, teria ficado muito contente com o valor mínimo a ser pago, porém, no mês seguinte… eu teria que ficar de boca fechada, porque, em vez de ser encaixada na faixa de 20 a 30, cálculo de 1X10 de R$17,10 (na época), certamente, no vencimento de janeiro/2011, o valor do consumo seria enquadrado na quarta faixa, o que quadruplica ou quintuplica o total a pagar, considerando-se que existe a tarifa de esgoto.

Não coloquei faixa, em frente de minha casa, com relação à minha honestidade, porque, na verdade, eu seria a prejudicada, caso não reparasse que o consumo registrado foi muito abaixo do normal.

Deu um “trabalhão”, porque ser mal interpretada é impressionante (afinal, eu estava avisando que havia engano na leitura para menos), porém preveni um valor alto de consumo, no vencimento do mês seguinte, que se somaria a IPVA, IPTUs, seguros e todos as demais obrigações que, normalmente, vencem no último mês do ano e início do ano seguinte.

Não recebo benefício algum de Águas de Itu por estar postando isto, mas todas as vezes que tive alguma dúvida, estive, pessoalmente, na agência de Águas de Itu, munida de toda a documentação necessária e, se não solucionei algo é porque não tinha como solucionar: entendi as explicações.

Acredito, sinceramente, independente de funcionário de Águas de Itu mal informado, que eu tenha CREDIBILIDADE junto a Águas de Itu. Se o funcionário mal informado não me auxilia, procuro outro mais graduado e esse, sim, ou corrige o que necessita de correção ou prova que a errada no raciocínio sou eu. Não recorro a vereadores ou à imprensa falada e escrita local, porque o problema é particular e tem que ser resolvido nesse sentido.

Prova material dessa credibilidade que tenho junto a Águas de Itu: imensamente ocupada, resolvendo problemas de consumo de água de terceiros, que, enquanto receberam demonstrativos de consumo com o mínimo durante quatro (04) meses, ficaram bem quietinhos e felizes e, quando o hidrômetro foi trocado resgatou o consumo verdadeiro e a conta ficou “astronômica”, só no dia 11/07/2011 “caiu a minha ficha” de que o Demonstrativo de Consumo, vencimento 12/08/2011, da casa em que resido e moro, não estava em minhas mãos. A leitura anterior fora em 02/06/2011 e no dia 11/07 ainda não recebera o Demonstrativo de Consumo.

Por meio do n.º de atendimento 246705, por telefone, a atendente Daiane me informou que a leitura fora feita no dia 05/07 e que o “dispositivo” que imprime o Demonstrativo “bloqueou”, porque houvera um acréscimo de consumo de três (03) metros cúbicos em relação à média de consumo.

Raciocinei, com Daiane, que a leitura anterior era de 02/06 e a mais recente de 05/07, que, certamente, o consumo registrara esses 03 dias a mais na leitura. Isso comprova, para mim, que o alarde feito pelas pessoas a quem ajudei a solucionar o consumo “astronômico” registrado não foi pura e simplesmente vazamento (ou a casa teria flutuado diante do alegado “vazamento”), mas foi ignorância, inércia não atentar para o fato de que cinco pessoas jamais consumiriam o mínimo de água. Conclusão: consumo excessivamente alto: reclamar. Consumo excessivamente baixo: alertar Águas de Itu. Ou entra em contato ou entra em contato com Águas de Itu, não há outra solução.

No dia 14/07/2011, em consulta ao site de Águas de Itu, lá estava, disponível, a conta de vencimento 12/08/2011, com a data de leitura e o registro do consumo, na terceira faixa, entre 20 a 30 metros cúbicos, dentro da normalidade.

No mesmo dia 14/07, enviei uma mensagem eletrônica a Águas de Itu, identifiquei o número do atendimento e agradeci as providências, confirmando que a segunda via já estava impressa. Recebi resposta à minha mensagem.

Não vou questionar aqui os valores de consumo de água e de tarifa de esgoto, porque isso diz respeito ao Legislativo e ao Executivo ituanos: foram os que aprovaram a “tabela” de cobrança. As tais faixas de consumo incluem Tarifa de Esgoto, não me recordo, agora, em que porcentagem proporcional ao consumo, o que encarece muito o valor a ser pago.

Em pouco tempo (questão de meses), a legislação dessa tabela de consumo. graças ao poderes Legislativo e Executivo ituanos, determinará que a Tarifa de Esgoto incidirá em 100% na Tarifa de Água.

De que adiantará xingar Águas de Itu em verso e prosa? Mas estou antevendo o que está por ser publicado e falado em rádio e televisão.

Todavia, será preciso ficarmos atentos aos que “jogarão areia” em nossos olhos com objetivos eleitoreiros. Esses, sim, independentemente da inércia, quando era necessário ter agido em defesa da população, bradarão aos quatro ventos que resolverão o problema da água em Itu.

 

Anúncios