Já comentei que meu espaço, no Windows Live Space migrou para o WordPress porque aceitei a sugestão para isso no momento em que apareceu na tela.

Inseri “Em breve, você verá alterações no seu Windows Live Space”, porque há explicações para os que ficaram tão perdidos quanto eu a princípio.

Dentre as vantagens do WordPress, e vou citar apenas uma agora, é que os comentários de terceiros passam pelo “crivo” de quem é o responsável pelo blog por meio de notificações enviadas ao endereço eletrônico do autor do espaço e, importante, tem um recurso que o Windows Live Space não tinha: identificação do IP de quem quer postar algum comentário.

”Por favor”, diz o assunto da mensagem que recebemos, “mediar comentário …” e lá está, bonitinho, o endereço eletrônico de quem enviou o comentário, a identidade do computador (IP) e outras informações, desde, claro, que o remetente tenha nome, sobrenome e não mero apelido ou uma “sopa de letrinhas”.

A WEB é um recurso absolutamente fantástico, mas, como alertou algo que a Superinteressante abordou há alguns anos, numa de suas ótimas ediições, “Seu amigo psicopata”, o número de psicopatas é tão grande que corremos o risco de nos relacionarmos com eles e, na WEB, há usuários de todos os tipos, qualidades, sanidade ou insanidade e, eventualmente, lemos a respeito – ou sofremos –  assédio moral por meio de mensagens eletrônicas ou de comentários caluniosos, injuriosos, maledicientes em nossos espaços e, sem recursos para denunciar (temos que registrar Boletim de Ocorrência, é mole?) ou para rastrear esses portadores de distúrbio de conduta, somos submetidos ao que Curieux [Curioso] – lamento, meu francês é resultado de dois anos de estudos, quando cursava as antigas primeira e segunda séries ginasial – comentou: não tem endereço eletrônico do MSN, não mantém espaço no Windows Live Space, não tem a mínima idéia de por que recebeu a mesma mensagem que postei em meu espaço, pensou que fosse mais uma dessas “pegadinhas”, mas o endereço do remetente , Curieux confirmou, é o que consta na mensagem que postei sobre a alteração do Windows Live Space.

Caro Curieux: Não postei seu comentário, porque não tenho seu nome completo – o meu espaço está perfeitamente identificado, meu endereço eletrônico é o meu nome , o que prova que não me escondo, porque não tenho nada a esconder, nem esqueleto em armário; se há psicopatas que pensam o contrário, fica por conta dos surtos que têm – e quando duvido de algo ou de alguém, por desconfiança, tento evitar cair em armadilhas… embora nem sempre tenha sucesso, porque pessoas com distúrbios mentais são como aranhas armadeiras, cujo veneno é impressionantemente letal, mas não tecem teias, escondem-se, usualmente, entre bananeiras.

E o que Curieux tem a ver com tudo isso, visto que enviou um comentário que é um alerta para mim?

Agradeço que tenha feito esse comentário e não sei lhe responder o motivo de ter recebido uma  mensagem que não lhe diz respeito. Apenas lembro a você que não há ferramenta que denuncie ou nos alerte sobre esses doentes mentais que conseguem “clonar” endereço eletrônico e nos enviam mensagens como se fossem nossos correspondentes eletrônicos ou até mesmo com alguns sinais de que pertencem a provedores. Criam endereços que não existem e conseguem enviar mensagens a quem quiser, burlando, desse modo, até mesmo ferramentas que detectam “spams” e poderiam evitar que passássemos por riscos de receber vírus e quetais.

Já recebi mensagem com endereço eletrônico de “sopa de letrinha” me ameaçando ser eliminada do ORKUT. Nunca orkutei, nunca pedi para orkutar, nunca quis receber convite para pertencer a alguma comunidade do ORKUT, mas lá estava, em um de meus endereços eletrônicos legítimos, perfeitamente identificados junto aos provedores, uma mensagem ameaçadora – quase pedi ajuda à Leci Brandão, uma das maiores divulgadoras de comunidades que merecem, mesmo, o nome de comunidade, composta de pessoas briosas – que me recebesse na dela.

Faz poucos dias que li sobre o fato de o Facebook (nem imagino o que seja, um local de espaços? mas que é poderoso, é) ter sido invadido e dados pessoais de seus usuários estarem sendo divulgados. Algum parasita que se vangloria (ou mais de um) por ser hacker, cracker e todos os nomes que esses criminosos cibernéticos recebem está se vangloriando pelo que fez.

Algumas ações de minha parte são por intuição. Às vezes, fracasso, porque sempre fui crédula ao esperar que todos com quem me relaciono tenham boas intenções. Todavia, são, no Brasil, cinco milhões de psicopatas. É muita areia para o meu caminhãozinho carregar.

Migrei para o WordPress e, quinze dias depois, recebi a mensagem (que postei em meu espaço) do Windows Live Space que o prazo final para essa migração será no dia 16 de março de 2011. Não creio que tenha sido um engodo. Todavia, se eu perder tudo o que já postei no antigo espaço, farei como o que contam a respeito de Penélope, que tecia e desmanchava e tornva a tecer. A pior perda não é a material ou a perda de produção intelectual. A pior perda é de pessoas que amamos, para a morte.

Foi no WordPress que encontrei, em abril de 2010, uma oração ao Divino Espírito Santo. Espero que o Divino Espírito Santo me ajude a me manter afastada dos que não são iluminados por luzes. Meu pai querido, de quem herdei um sobrenome honrado e viveu de modo honrado, jamais sujando o sobrenome que herdou dos pais, acreditava, sinceramente, que Deus está sempre presente e nos socorre nos momentos mais necessários – porque agimos de modo correto ou alguém conhece ladrão que presta conta à vítima? – e assim tem sido comigo: Deus há de me afastar dos dementes que só sentem prazer em prejudicar quem nunca lhes fez mal algum.

Grata, Curieux, pela oportunidade de expressar tudo o que digitei. Espero que tenha entendido todas as colocações que fiz. Finalmente, algo que não trouxe do meu perfil do Windows Live Space: vivo no mundo real; não acredito em conto de fadas, alma gêmea, amar quem sempre desgostei ou considero desonesto. Em tempo: não me correspondo pelo Messenger com quem não tem webcam e não possa enxergar quem é.

Portanto, psicopata que é um estelionatário por natureza – inteligente, cativa para poder enganar, iludir, ludibriar – não tem vez comigo, porque minha intuição é de grau mil e os engodos em que fui envolvida por psiopatas me tornaram, também, excessivamente desconfiada, o que é uma doença, eu sei. No entanto, mesmo desconfiada em grau mil, não perco meu tempo enviando mensagens caluniosas, injurioras, maledicentes, como se eu fosse uma “mariquinha” (fofoqueira, o que em homens é um vício tão grande quanto em mulher), uma dessas pessoas que só sentem prazer em “ver o circo pegar fogo”. Se o fizesse, então deveria estar cercada de cuidados médicos ou trancada num local de onde não pudesse prejudicar outros.

Anúncios