O que não se compra porque não tem preço.

Apenas para nos lembrarmos de que costumamos respeitar e valorizar quem é famoso por algum motivo e que não devemos valorizar criminosos, em momento algum, porque estamos destruindo pessoas que nunca quiseram ser famosas e são verdadeiras cidadãs, exatamente o oposto dos criminosos.

O assunto do anexo tem como ponto de partida a apresentação de um artista clássico, respeitadíssimo no meio artistístico clássico, acompanhado de um violino genuíno (do qual existem cerca de seis exemplares no mundo) numa estação de metrô e como esse músico foi ignorado, literalmente, pelos passantes, enquanto se exibia gratuitamente.

Abra e leia, atentaente, o anexo. Expressa melhor do que eu o que significa não valorizar nada por causa de algum “rótulo” colocado ou a respeitar outros exatamente porque não foram rotulados.

O que não se compra porque não tem preço_com créditos_Sensão enviou.pps – Windows Live

Anúncios